Como a tecnologia pode ajudar nos impactos do clima na agricultura?

7 minutos para ler

Clima e agricultura estão padecendo de um embate que afeta toda a produção agrícola. As alterações provocadas nas condições climáticas do planeta exigem respostas imediatas, pois colocam em risco mundial o abastecimento de alimentos.

Nesse sentido, a grande parceira do agronegócio se dá com a tecnologia e as soluções oferecidas. Assim, é necessário haver um controle com a máxima precisão, em especial do consumo de água e de fertilizantes, para garantir um solo em condições de produzir com o rendimento necessário.

Continue a leitura e descubra como a tecnologia pode ajudar nos impactos do clima na agricultura.

Os 3 impactos das mudanças climáticas na agricultura

As alterações que o clima vem sofrendo em todo o mundo já demonstram seus efeitos na capacidade produtiva e na própria viabilidade da agricultura em determinadas regiões. Os cenários que se apresentam até o final deste século são muito sombrios e exigem mobilização efetiva e imediata.

1. Alteração no cenário de doenças

A fitossanidade das lavouras, isto é, as condições de saúde das plantas, é afetada diretamente pelas variações climáticas. Isso se deve principalmente às adaptações entre o patógeno (fungo, bactéria) e a planta hospedeira em cada ambiente.

Na verdade, existe certo equilíbrio entre as plantas e as doenças pelas quais podem ser afetadas. Desse modo, com alteração nas temperaturas médias, determinadas culturas não se desenvolveriam mais e seriam obrigadas a migrar para outras áreas com um clima mais adequado.

Nesses casos, as doenças acompanhariam a cultura e seriam introduzidas no novo ambiente. Dessa forma, as lavouras anteriormente instaladas poderiam ser atacadas por doenças que, antes, não preponderavam no local.

As mesmas considerações podem ser feitas em relação à disponibilidade de água. Excessos ou deficiências podem aumentar a incidência de determinadas doenças, alterando o cenário fitossanitário.

2. Mudanças na configuração da produção agrícola

Com a redistribuição das áreas de produção agrícola, diversas regiões sofreriam mudanças significativas. Assim, culturas agrícolas adaptadas com seus sistemas de armazenamento e escoamento da produção e produtores altamente especializados seriam diretamente afetados.

Em razão do excesso ou da falta de chuvas, assim como da elevação das temperaturas médias, culturas às vezes tradicionais só encontrariam condições favoráveis em outras regiões. Como resultado, grande parte da produção agrícola como conhecida seria alterada em suas configurações, exigindo profundas adaptações.

3. Eventos relacionados ao aumento da temperatura

O aumento de temperatura não é uma alteração que ocorre isoladamente. Na sua incidência, outros parâmetros essenciais para a agricultura também se alteram.

Assim, a umidade relativa do ar, a disponibilidade hídrica do solo (a água no solo para as plantas) e o próprio ciclo de chuvas e ventos se modificam. Com isso, podem se iniciar verdadeiros processos de desertificação em certas regiões onde o aumento de temperatura rompe o equilíbrio local existente.

Na prática, algumas culturas simplesmente deixariam de existir, pois não haveria mais um local adequado para a sua produção. Por sua vez, a produtividade de muitas lavouras resistentes ou mais adaptadas poderia cair para estágios críticos, bem distantes da pujança que hoje conhecemos.

As tecnologias que ajudam a agricultura a reduzir os impactos do clima

 As iniciativas que o produtor pode tomar encontram apoio na tecnologia disponível. Veja, a seguir, alguns instrumentos para o enfrentamento dos efeitos das variações do clima.

Ferramentas e sensores que ajudam na tomada de decisão

A tecnologia no agronegócio ajuda a otimizar os recursos existentes monitorando, com maior precisão, as variáveis de controle. Assim, podem ser citados sensores que, instalados no solo em posições estratégicas na lavoura, permitem identificar o momento e a demanda de água.

Do mesmo modo, sensores podem realizar, por exemplo, uma avaliação da nutrição nitrogenada na cultura do algodão. Ferramentas dessa natureza permitem obter maior precisão no dimensionamento das necessidades, em especial ao apontarem áreas específicas ou talhões onde uma correção é necessária.

Sistema de plantio direto

O plantio direto é uma técnica de cultivo que dispensa o revolvimento com as operações de aração e gradagem, garantindo a preservação do solo. A consequência é, antes de tudo, a preservação da estrutura do solo. Com isso, é obtida uma melhor produtividade.

Os bons resultados do sistema constituem o efeito da manutenção da umidade e da biodiversidade do solo. Ao mesmo tempo, a fertilidade do solo é aprimorada uma vez que a adubação é localizada, o que evita as perdas e a contaminação.

Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF)

A chamada ILPF procura tirar proveito da longa fase de crescimento de culturas arbóreas, associando-as a culturas de ciclo curto. Desse modo, o consórcio entre espécies ameniza com alguma sombra, mas, principalmente, otimiza o uso de água e fertilizantes.

Do mesmo modo, a utilização de carneiros entre as ruas de café traduz esse mesmo espírito de otimização dos recursos naturais. Iniciativas dessa natureza funcionam como contrapartida às dificuldades que advêm das variações climáticas.

Fertirrigação

A fertirrigação é uma técnica utilizada para incorporar, em uma mesma operação, as atividades de fornecimento de água e de nutrientes às plantas da lavoura. Sua principal vantagem é o fato de realizar uma irrigação localizada, fornecendo apenas o necessário a cada planta, evitando desperdícios.

Do mesmo modo, os nutrientes seguem junto à água. Dessa forma, também não há dispersão no solo de excedente de fertilizante. Nesse sentido, também são essenciais os mecanismos que permitem precisão na aplicação de fertilizantes granulados.

Melhoramento genético

O melhoramento genético das plantas cultivadas permite desenvolver variedades mais resistentes às diversas condições ambientais. Assim, plantas com menor exigência de água e mais resistentes às variações de temperatura podem ser desenvolvidas com esse fim.

Da mesma forma, variáveis ambientais, como doenças e pragas, também podem ser consideradas ao se objetivar melhorias na capacidade genética de resistência. Com isso, aumenta-se a possibilidade de sobrevivência da cultura nas áreas onde o clima poderia produzir condições normalmente impeditivas.

A preparação do solo para enfrentar alterações climáticas

As técnicas utilizadas para o preparo do solo no enfrentamento das alterações climáticas se baseiam, sobretudo, na conservação das características do solo e no aprimoramento da fertilização. Para isso, a adoção da prática do plantio direto, por exemplo, é de grande valia ao manter, inclusive, a microbiodiversidade local.

A necessidade de manter a uniformidade e a precisão na aplicação dos fertilizantes na linha de cultivo exige capacidade dosadora eficiente. Para isso, um dosador de precisão, como o FertiSystem Auto-Lub AP NG, é indispensável.

Da mesma forma, quando tratamos de micronutrientes ou de dosagens muito pequenas, a operação se torna ainda mais difícil. Assim, com vistas a se obter precisão, mesmo com baixas dosagens, foi desenvolvido o dosador de precisão FertiSystem ITS5000.

A agricultura de precisão oferece, ainda, a possibilidade de aplicação de adubos de forma contínua, mas em taxas variáveis com o controlador VRA PRO. Isso significa que o fertilizante será lançado conforme a necessidade em cada área da lavoura, evitando os excessos desnecessários e promovendo economia nos custos.

Como visto, clima e agricultura podem estar se afastando um do outro e trazendo dificuldades para o abastecimento em todo o mundo. Todos têm sua responsabilidade, mas, ao produtor, cabe o aprimoramento tecnológico das atividades desenvolvidas nas tarefas da produção agrícola.

Aproveite e conheça os instrumentos que a tecnologia disponibiliza para o agronegócio no enfrentamento dos efeitos das mudanças climáticas.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-